Categorias
cordel martelo repente

Berimbau que bate pra lá da Ribeira

Berimbau que bate pra lá da Ribeira
E traz a morena para vir olhar
Ela vem sorridente, pára no lugar
E vê o jangadeiro jogar capoeira
Subindo de aú, puxando rasteira
Fazer bananeira, parado no ar
O brilho no olho reflete o luar
O brinco na orelha, marca de valente
Sorriso na boca, mostra branco dente
Lá na capoeira na beira do mar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *